Search
  • Larissa Ushizima

O que é peer mentoring?



Em tempos de pandemia, muitas pessoas repensaram suas antigas carreiras ou projetos profissionais. Falamos com os amigos sobre nosso desejo de mudança, ideias que queremos implementar ou mesmo sobre a vontade de melhorar o CV para uma vaga específica. Mas como tirar essa vontade de mudar do papel e colocá-la em prática? Nesses momentos, podemos contar com uma importante ferramenta (e gratuita!) chamada "peer mentoring" (mentoria entre pares), que eu chamo de “parceria”.


Falando especificamente das habilidades socioemocionais (as famosas "soft skills"), uma das formas de se desenvolver profissionalmente é exatamente essa: pedir a honesta opinião de um amigo ou colega! De preferência alguém que não seja diretamente ligada ao que fazemos como profissão/carreira, mas que tenha um mínimo de conhecimento sobre nós e liberdade suficiente para nos dizer sua opinião honesta.


Dentro de uma empresa muitas vezes procuramos estruturar essa relação formalmente, num programa de mentoria ou coaching, dependendo das necessidades do funcionário. Falando da minha experiência pessoal numa grande multinacional, eu chamava minha parceira de “buddy”, já que eu a convidei para assumir esse papel fora da estrutura dos programas formais da empresa. Falávamos semanalmente em sessões de 30 minutos para conversar sobre a habilidade que eu queria melhorar, avaliar o tinha ido bem na semana, o que tinha ido mal e próximos passos. Depois de cinco meses de conversas semanais, concluímos que eu já tinha evoluído o quanto precisava (com base, inclusive em feedbacks dos meus gestores) e concordamos em encerrar nossa "parceria" semanal.


Nem sempre é fácil ouvir feedback negativo, em especial quando já temos a percepção de que poderíamos ter feito algo melhor. Mas, ouvir nossas constatações por meio de outra pessoa, pode nos levar a agir mais rápido e com mais intensidade. Uma vez escutei de um líder que uma das melhores formas de tratar um feedback era seguindo 3 passos: escutar, agradecer e processar. Sempre lembro disso quando minha mente começa a criticar aquilo que estou ouvindo: reagir no momento, na maioria das vezes, não é a melhor alternativa.


Se você gostaria de trabalhar algum aspecto pessoal ou profissional, recomendo identificar uma parceira ou parceiro e propor encontros regulares. Definam rotinas e regras (transparência é essencial) e comecem essa jornada juntos!


Texto de Maria Fernanda Almeida e Silva